Noticia 2017 04 02

Doenças de outono: como aliviar os problemas respiratórios

Quem tem filho alérgico sabe que esta é a estação de bater cartão no pediatra. Por causa de uma combinação de fatores, o outono é uma estação particularmente difícil para quem sofre de alergias respiratórias e as crianças estão cada vez mais sujeitas a esse mal dos tempos modernos.  Veja o que fazer para aliviar um pouco os sintomas que vêm com a estação.

Ácaro: o inimigo número 1.

Os ácaros, maiores vilões das alergias respiratórias, se alimentam, sobretudo, de fragmentos da nossa pele que se depositam aos montes em colchões, travesseiros, lençóis, cobertores, sofás e casacos. Exterminá-los completamente não é possível, mas podemos tornar o ambiente hostil a eles com um lugar fácil de limpar (a higiene do ambiente físico colabora muito com a eficácia do tratamento das doenças alérgicas).

Como é um quarto saudável:

– Piso: nada de tapetes ou carpetes. Limpe o chão sempre com pano úmido e nunca com vassouras;

– Paredes: tire as cortinas. Lembre-se de tirar o pó com um pano levemente úmido;

– Guarda-roupa: casacos e roupas de inverno devem ser lavados antes do início do frio, assim como edredons (melhores do que cobertores);

– Brinquedos: quanto menos objetos expostos houver no quarto, melhor para a criança. Evite os bichos de pelúcia;

– Cama: o colchão deve ser coberto com uma capa impermeável, evitando que os ácaros se instalem em seu interior;

– Janelas: deixe a luz do sol e o ar entrarem no quarto o maior tempo possível;

Tratamentos:

O tratamento com medicamento passa por diferentes fases: para a crise, usam-se medicações de alívio, como anti-histamínico (antialérgico) e bronco dilatador de curta duração. O tratamento anti-inflamatório (com corticoides tópicos nasais e inalatórios) corre paralelamente e permanece muitas vezes fora dos períodos de crise, como prevenção.

Aos que sofrem de dermatite atópica – a “asma” na pele -, hidratantes emolientes indicados pelos médicos e pomadas específicas são as armas mais eficazes nesse caso.

As vacinas (imunoterapia) funcionam como coadjuvante em muitos casos de rinite alérgica persistente e, às vezes, em casos de asma. Elas são preparadas em laboratórios que produzem extratos padronizados e somente devem ser prescritas se o paciente possuir o teste alérgico positivo.

Além do acompanhamento médico, o ambiente adequado, a alimentação balanceada e a prática regular de exercícios físicos melhoram a capacidade pulmonar e fortalecem a parte muscular, ajudando a manter a alergia sob controle.

Procure sempre a orientação de um especialista e viva bem!