Noticia 2017 09 2

Tabagismo passivo: o que você precisa saber

Quando um cigarro é aceso, somente uma parte da fumaça é tragada pelo fumante e cerca de 2/3 da fumaça gerada pela queima é lançada no ambiente. Isso afeta quem está em volta. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a fumaça do cigarro é a maior fonte de poluição em ambientes fechados e o tabagismo passivo a 3ª maior causa de morte evitável do mundo, perdendo apenas para o tabagismo ativo e o consumo excessivo de álcool.

O não fumante que convive com fumantes em ambientes fechados, fica exposto aos componentes tóxicos e cancerígenos presentes na fumaça ambiental do tabaco que contém praticamente a mesma composição da fumaça tragada pelo fumante. São cerca de 4.000 compostos, dos quais mais de 200 são tóxicos e cerca de 40 são cancerígenos.

O tabagismo passivo é uma das principais causas de doenças em não fumantes, incluindo câncer do pulmão, doença isquêmica do coração e morte por parada cardíaca. Além disso, os fumantes passivos sofrem os efeitos imediatos da exposição à fumaça do cigarro, tais como: irritação nos olhos, manifestações nasais, tosse, cefaleia, aumento de problemas alérgicos, aumento do número de infecções respiratórias em crianças e elevação da pressão arterial.

Riscos durante a gravidez: o problema torna-se ainda maior em relação ao fumo passivo em gestantes, em que há risco aumentado de morte fetal, parto prematuro e de nascimento com baixo peso. Há também um índice maior de desenvolvimento de problemas respiratórios no bebê.

Para melhorar a qualidade do ar e evitar danos aos fumantes passivos, a Lei Antifumo* em vigência no país proíbe fumar cigarros, charutos, cachimbos, narguilés e outros produtos derivados do tabaco em locais de uso coletivo, públicos ou privados de todo o país. Se você fuma, lembre-se da sua responsabilidade com o seu organismo e com as pessoas do seu convívio em casa, no trabalho e no lazer. Se você não fuma, evite ambientes contaminados pela fumaça nociva do cigarro.

*Lei Antifumo nº 12.546/2011.

Procure sempre a orientação de um especialista e viva bem!